ARQUIDIOCESE
de Pouso Alegre

Em entrevista, Dom Majella fala sobre imagem entronizada na Catedral - por Pe. Andrey Nicioli


Em entrevista à Rádio Difusora Hd, pertencente à Arquidiocese de Pouso Alegre, o Arcebispo Metropolitano, Dom José Luiz Majella Delgado - C.Ss.R., falou sobre a imagem de Nossa Senhora Aparecida que será entronizada na Catedral nesta quinta-feira, 03. Ele ressaltou que a imagem traz o suor e esperança de todo o povo do Sul de Minas. 

"Portanto, essa imagem que será entronizada na nossa Igreja Catedral e que passou pelas nossas paróquias, tem o suor do nosso povo, que tocou, suplicou, que segurou. Ela está úmida do amor do povo. Este é o sentido dessa imagem para nós. Olhando para essa imagem nós sentimos a luta e a força do nosso povo dessa região do Sul de Minas. Portanto, essa imagem que será entronizada na nossa Igreja Catedral e que passou pelas nossas paróquias, tem o suor do nosso povo, que tocou, suplicou, que segurou. Ela está úmida do amor do povo. Este é o sentido dessa imagem para nós. Olhando para essa imagem nós sentimos a luta e a força do nosso povo dessa região do Sul de Minas", afirmou.

A entrevista é da jornalista Carla Ramos. Ouça aqui!

Leia trechos da entrevista:

"O contrato que o Santuário Nacional fez conosco, ao emprestar essa Imagem, foi que deveríamos devolve-la. Quando fomos devolver, comunicamos que devolveríamos no dia 2 de julho, dia da nossa peregrinação arquidiocesana. O reitor do Santuário, então, nos comunicou que a imagem poderia ficar, que ele estava doando essa imagem à Arquidiocese. Para nós foi um presente, uma grande graça. Dai nos perguntamos: ela percorreu todas as paróquias, percorreu os 45 municípios de nossa Arquidiocese e vamos fazer o que com essa imagem? A imagem vai ficar onde? Daí definimos, pelo Conselho de Pastoral, que ela ficaria na Catedral, que é nossa Igreja Mãe. 

Escolhemos o dia 3 de agosto, porque nesse a Igreja Catedral foi dedicada. O que é a dedicação de uma Igreja? É o aniversário da Igreja. Quando nós nos reunimos, na pessoa do nosso bispo, e dedicamos o Templo ao Senhor. Todas as Igrejas são dedicadas à Jesus Cristo. Em muitos dos nossos Templos, além da dedicação à Jesus Cristo, nós colocamos os padroeiros. A nossa Catedral é dedicada ao Bom Jesus. 

É muito importante termos a consciência que Maria não é Deus. Nós não adoramos uma imagem, não adoramos nossa senhora. Nós veneramos. A imagem de Nossa Senhora é um sinal para nós, sinal do dedo de Deus, da misericórdia de Deus.

Esses meses de peregrinação da imagem foram uma comunhão muito bela e muito profunda que realizamos em nossa Arquidiocese. Procuramos viver, com a presença da imagem de Nossa Senhora nas nossas paróquias, um momento forte de evangelização com uma vertente mariana. Um momento forte de evangelização lembrando sempre: à Cristo, por Maria. Maria é sempre a medianeira. Nossas paróquias e comunidades que receberam a imagem de Nossa Senhora, acredito, que foi realizada até uma memória da fé familiar, da devoção familiar. Na nossa região é muito transparente a presença de peregrinos ao Santuário Nacional. E é também uma tradição de famílias que vão anualmente à Aparecida fazer sua peregrinação.

Portanto, essa imagem que será entronizada na nossa Igreja Catedral e que passou pelas nossas paróquias, tem o suor do nosso povo, que tocou, suplicou, que segurou. Ela está úmida do amor do povo. Este é o sentido dessa imagem para nós. Olhando para essa imagem nós sentimos a luta e a força do nosso povo dessa região do Sul de Minas". 

 

 

 

Publicado no dia 03/08/2017