ARQUIDIOCESE
de Pouso Alegre

Comissão para Educação e Cultura emite mensagem para Bispos - por Pe. Andrey Nicioli


Durante reunião nos dias 21 e 22 de setembro, os membros da Comissão Episcopal para a Cultura e Educação, os bispos referenciais dos Regionais e assessores da CNBB emitiram essa semana uma carta aos Bispos e Arcebipos sobre o atual cenário da educação no país. O Arcebispo Metropolitano de Pouso Alegre, Dom José Luiz Majella Delgado - C.Ss.R., faz parte desse grupo como referencial para o Leste 2. 

O objetivo é incentivar os bispos a contribuirem de maneira objetiva na reaproximação aos alunos, principalmente os mais pobres, na tentativa de ser sinal de esperança e vivência de valores.  

"A situação da educação do país está cada vez mais complexa e reclama de nós um olhar atento. Infelizmente, a qualidade do ensino apresenta sinais de decréscimo e as polarizações dos debates têm comprometido ainda mais os pequenos avanços. Como mobilizar a sociedade para uma pauta na educação que não entre na dinâmica atual de polarização? Como a Igreja pode oferecer sua contribuição, sobretudo, a favor dos mais desfavorecidos? É preciso unir forças ao redor do que é o mais importante no campo da educação integral. Nas (arqui)dioceses, cada paróquia deve estar atenta para identificar as escolas de seu território e se aproximar delas para conhecer as suas demandas e oferecer apoio. Ações como reforço escolar tem sido de grande eficácia. O texto da CNBB "Pensando o Brasil, vol. 4 - Educação" apresenta pistas pastorais para a comunidade católica, além de indicar caminhos para a superação dos principais desafios da educação", traz a carta.

O texto vem assinado pelo Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação da CNBB, Dom João Justino de Medeiros Silva. 

Leia a carta na íntegra (ou faça o download da carta aqui)

Brasília, 26 de setembro de 2017 CE – Nº. 0573/17

Prezados Arcebispos e Bispos,

Nós, os membros da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e a Educação, os bispos referenciais dos Regionais e assessores da CNBB, estivemos reunidos em Brasília, de 21 a 22 de setembro, para avaliar as ações do último biênio e planejar o próximo. Dado o cenário difícil da educação no momento presente, decidimos enviar-lhes esta carta.

A situação da educação do país está cada vez mais complexa e reclama de nós um olhar atento. Infelizmente, a qualidade do ensino apresenta sinais de decréscimo e as polarizações dos debates têm comprometido ainda mais os pequenos avanços. Como mobilizar a sociedade para uma pauta na educação que não entre na dinâmica atual de polarização? Como a Igreja pode oferecer sua contribuição, sobretudo, a favor dos mais desfavorecidos? É preciso unir forças ao redor do que é o mais importante no campo da educação integral.

Preocupados com esse cenário, entendemos que a Igreja precisa contribuir de maneira bastante objetiva. É urgente nossa reaproximação da escola pública, onde se encontram e estudam os mais pobres. Nas (arqui)dioceses, cada paróquia deve estar atenta para identificar as escolas de seu território e se aproximar delas para conhecer as suas demandas e oferecer apoio. Ações como reforço escolar tem sido de grande eficácia. O texto da CNBB "Pensando o Brasil, vol. 4 - Educação" apresenta pistas pastorais para a comunidade católica, além de indicar caminhos para a superação dos principais desafios da educação.

Também as escolas católicas precisam de nosso apoio. Suas dificuldades são de outra ordem. Boa parte delas enfrenta a concorrência desleal de grandes grupos financeiros que têm interesses próprios, sem uma visão integral do ser humano. Delas devemos nos aproximar para apoiá-las e não permitir que sejam engolidas pela dinâmica avassaladora do mercado.

Em breve serão aprovadas as Bases Nacionais Comuns Curriculares (BNCC). O passo seguinte será a definição dos currículos em nível estadual. Daí a necessidade imperiosa de acompanharmos os conselhos estaduais e municipais de educação.

Estamos para iniciar o Ano Nacional do Laicato: Cristãos leigos e leigas sujeitos na "Igreja em saída", a serviço do Reino. Será uma fecunda oportunidade de encorajá-los para uma ação concreta em favor da educação, testemunhando Jesus Cristo e seu Reino na sociedade.

Estimados irmãos, em sintonia com o Papa, afirmamos: “Nós estamos aqui porque amamos a escola. E digo “nós” porque eu amo a escola, eu amei a escola como aluno, como estudante e como professor e, depois, como bispo” (Papa Francisco). Neste Ano Nacional Mariano, invocamos a presença e a intercessão de Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Educadora de Jesus e nossa.

 

+ Dom João Justino de Medeiros Silva. 

Publicado no dia 26/09/2017