Cosepas recebem formação sobre a criação da Cáritas Arquidiocesana

23 de maio de 2018

Apresentação da Cáritas no setor Mandú

Membros da Comissão à Serviço da Vida Plena para Todos (CSVPT) tem participado neste mês da reuniões dos Conselhos Setoriais de Pastoral (Cosepas) nos setores pastorais da Arquidiocese para partilhar o processo de criação da Cáritas. A proposta foi assumida pela Assembleia Arquidiocesana de Pastoral em 2016 após o arcebispo, Dom José Luiz Majella Delgado – C.Ss.R., manifestar esse desejo. A criação da Cáritas está sob a responsabilidade do padre Thiago Raymundo e de Lídia Gonçalves (de Itajubá), em comunhão com a CSVPT, e está prevista para 2020.

“Em 2020, no Jubileu dos 120 anos da Arquidiocese, desejamos criar a Cáritas em nossa Igreja particular, com o apoio do Arcebispo, padres e fiéis leigos. Além disso, a Cáritas será nosso gesto concreto do Ano da Misericórdia, vivido entre 2015 e 2016, e da 9ª Assembleia Arquidioceana de Pastoral”, afirmou padre Thiago.

A Cáritas é uma rede de solidariedade da Igreja Católica que apoia as pastorais sociais e está sendo criada na Arquidiocese, sendo sustentada pela coleta da solidariedade realziada todo Domingo de Ramos e também por outras campanhas próprias.

“A Cáritas apoia e fortalece as atividades das pastorais sociais na Arquidiocese, mas não as substitui. Sobre a manutenção financeira, além da coleta da solidariedade, após a criação da Cáritas, será possível tentar acesso a editais e parcerias com outras instituições para realização de suas atividades. A Cáritas trabalha, principalmente, com voluntariado”, disse.

Os membros da Arquidiocese estão participando dos encontros da Cáritas em Belo Horizonte e irão escrever o estatuto da Cáritas. Inclusive, o regional mineiro da Cáritas, segundo padre Thiago, está animada com a criação aqui na Arquidiocese de Pouso Alegre.

“A Cáritas MG é o nosso níve regional da Cáritas brasileira e tem esperança na criação da Cáritas na Arquidiocese de Pouso Alegre, pois ela não está presente em nenhuma diocese do Sul de Minas. A mais próxima de Pouso Alegre está em São João Del Rei. A regional MG promove três encontros anuais, realizados na região metropolitana de Belo Horizonte. Cada um destes encontros tem duração de três dias, ocorrendo sempre de sexta-feira a domingo. As Cáritas diocesanas são convocadas a enviar ao menos um representante para estes eventos”, revelou padre Thiago.

Contato

Pe. Thiago de Oliveira Raymundo ([email protected]): 35.3623-5401 ou 3623-5253
Pe. Paulo Adolfo Simões ([email protected])
Lídia Gonçalves ([email protected])

O que já foi feito

2016
– Criação da Comissão Pró-Cáritas sob responsabilidade do padre Thiago Raymundo e Lídia Gonçalves, vinculada à Comissão à Serviço da Vida Plena para Todos (CSVPT);
– Início dos contatos com a Coordenação Regional da Cáritas;
– Visita e reunião com o coordenador da Cáritas em Minas Gerais, Rodrigo Pires. Esses encontros ocorreram em Itajubá e Santa Rita do Sapucaí com agentes das pastorais sociais e membros da CSVPT;
– Planejamento de reuniões em Itajubá, visitas às dioceses que tem Cáritas e participação em eventos da Cáritas MG;

2017
– Liberação de recursos pela Coordenação Arquidiocesana de Pastoral para realização das atividades da Comissão pró-Cáritas;
– Realização de reunião em Itajubá com lideranças das pastorais sociais de Itajubá, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí e Piranguçu para discutir o processo de criação da Cáritas na Arquidiocese de Pouso Alegre;
– Participação de membros da CSVPT nas etapas do “PMAS (planejamento, monitoramento, avaliação e sistematização) da Cáritas MG, em Belo Horizonte. Nessas reuniões foram definidas as prioridades para a ação regional para o biênio 2017/2018, sendo elas: convivência com os biomas; economia popular solidária; infância, adolescência e juventudes; migração e refúgio; mudanças climáticas e gestão de riscos;
– Visita à diocese de Itabira-Coronel Fabriciano e à Arquidiocese de Belo Horizonte para conhecer os trabalhos da Cártias nestes locais

2018
– Participação nas reuniões regionais da Cáritas;
– Apresentação do projeto da Cáritas e das suas atividades às lideranças da Arquidiocese;
– Elaboração do estatuto da Cáritas Arquidiocesana;
– Início da formação de fundo para custeio de atividades da Cáritas na Arquidiocese através de parte da coleta da solidariedade e outros meios a serem apresentados pelo Arcebispo;