Padre Jésus Benedito lança seu sexto livro

O padre Jésus Benedito dos Santos, do clero da arquidiocese de Pouso Alegre, lançou nesta semana, seu sexto livro, todos na temática da Pastoral Presbiteral. "Presbítero para uma Igreja em saída - o curador ferido: guia espiritual para uma geração ferida e extremada", foi lançado neste ano apenas em versão e-book, pela Editora A Partilha.

Este livro está dividido em quatro partes, pelos quais serão tratados os quatro pontos de uma Igreja em saída: Igreja missionária; Igreja que se transforma; Igreja que se abre para acolher os que ficaram ou estão à beira do caminho e enfrenta temas complexos; e Igreja que volta as fontes e se renova. A primeira parte da obra trata do Curador Ferido, num mundo todo ferido e que fere; a segunda trata das crises de valores da sociedade atual; a terceira trata da espiritualidade numa Igreja em saída e a quarta trata do ministro ordenado para uma Igreja em saída.

Segundo o autor, o livro o livro traz a reflexão sobre os ministros ordenados para uma Igreja em saída, pensando o ministério ordenado  para além da superficialidade estética ou de posições extremistas, totalitárias e fundamentalistas, que tende a acirrar posições de direita ou de esquerda no exercício desse ministério, avança para ser um ministro sinodal.

"Nesse livro iremos falar dos ministros ordenados numa Igreja em saída e também do sofrimento do ser humano na atualidade. Sabe-se que o sofrimento faz parte da vida humana. A escolha na vida não é optar por sofrer ou abster-se de sofrer. É claro que podemos aprender a focar melhor nossa energia, a priorizar melhor as coisas e com isso sofrer menos ou não sofrer com coisas triviais. Mas, mesmo para pessoas que conseguem atingir esse tipo de maturidade, ainda assim, existe o sofrimento, porque existem as grandes questões da vida, porque existem as questões sérias que merecem nosso foco e nossa atenção", disse padre Jésus.

A escolha na vida não é escolher sofrer ou não sofrer, a real escolha humana é escolher como lidar com o sofrimento. Nesse processo de lidar com o sofrimento o que muitos fazem é guardar as angústias para si mesmo, é guardar as dores dentro de si e não dividir com ninguém. E essa pode ser uma das maiores armadilhas para a fé, a felicidade, o bem-estar e a missão do Curador Ferido numa Igreja em saída.

Pe. Jésus Benedito dos Santos

Na vida do Curador Ferido eventos como uma doença, o término de uma amizade, ou pior ainda, a morte de uma pessoa amada, a mudança de paróquia, a idade, doença e assim por diante, mesmo sendo ele uma pessoa religiosa e esclarecida, esses acontecimentos acabam lhe trazendo sofrimentos.

"Décadas de religião vêm nos ensinando a importância de dividir nossas alegrias e tristezas com pessoas que convivem conosco. Sabe-se que o Curador Ferido, numa Igreja em saída, está num mundo agitado, mundo onde as pessoas estão aparentando ser felizes, com corpos perfeitos, fotos com o filtro ideal, sem sofrimento, tendo somente prazeres e sorrisos. Por conta disso, muitas vezes, ele tem medo ou vergonha de se mostrar triste, de mostrar suas feridas, suas dores, como Jesus o Curador Ferido do Pai, que mostra as feridas: “mostrou-lhes as mãos e o lado” (Jo 20, 20). Numa Igreja em saída, antes de tudo é preciso encontrar com as próprias feridas, atá-las para depois ir atrás dos irmãos e irmãos para ajudá-los a cuidar de suas feridas", afirmou.

Outros livros do autor

O Presbítero Católico: uma identidade em transformação;
Novo Presbítero Católico sob a Mística do cuidado;
Nunca pare de Sonhar: o presbítero que ama Jesus e sua Igreja;
Pérolas nas mãos de Deus: Pastoral Presbiteral;
Presbítero Pastor;


Santuários arquidiocesanos rezarão o terço pelo fim da pandemia

Os Santuários da arquidiocese de Pouso Alegre se unirão para a oração diária do Santo Terço, tendo como intenção o fim da pandemia. A meditação dos mistérios do Terço ocorrerão entre os dias 16 e 31 de maio, sempre às 18h, com transmissão pelo Facebook da arquidiocese, dos santuários e paróquias. A citação bíblica que conduzirá esse momento será: "De toda a Igreja subia incessantemente a oração a Deus"(At 12, 5).

"Queremos responder a um pedido do Papa Francisco de fazer do mês de maio um tempo forte de oração mariana pelo enfrentamento da pandemia. Vamos unir nossa arquidiocese em oração neste tempo desafiador da pandemia, apresentando nossa realidade, os doentes e profissionais da saúde", afirmou o reitor do Santuário Nossa Senhora da Agonia, padre Rodrigo Carneiro.

Os terços utilizados para a oração serão abençoados pelo arcebispo, dom José Luiz Majella Delgado-C.Ss.R., na missa do Crisma, dia 15 de maio, na Catedral Metropolitana. Além dos 10 Santuários e da Basílica pertencentes à arquidiocese, foram convidados: a paróquia São José, distrito Pantano em Pouso Alegre; o Carmelo da Sagrada Família, em Pouso Alegre; a Catedral Metropolitana; o Seminário arquidiocesano Nossa Senhora Auxiliadora; e o Movimento Terço dos Homens de Congonhal.

Datas e locais da oração do Terço

16 de maio: Basílica Nossa Senhora do Carmo (Borda da Mata)
17 de maio: Santuário Santa Rita de Cássia (Santa Rita de Caldas)
18 de maio: Santuário Santa Rita de Cássia (Santa Rita do Sapucaí)
19 de maio: Santuário Nossa Senhora da Agonia (Itajubá)
20 de maio: Santuário Nossa Senhora da Piedade (Itajubá)
21 de maio: Santuário Imaculado Coração de Maria (Pouso Alegre)
22 de maio: Santuário Bom Jesus (Córrego do Bom Jesus)
23 de maio: Carmelo Sagrada Família (Pouso Alegre)
24 de maio: Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre (Pouso Alegre)
25 de maio: Paróquia São José (Distrito Pantano - Pouso Alegre)
26 de maio: Santuário Santa Rita de Cássia (Extrema)
27 de maio: Santuário Nossa Senhora da Medalha Milagrosa (Monte Sião)
28 de maio: Santuário Nossa Senhora Aparecida (Brazópolis)
29 de maio: Santuário São Francisco de Paula e Nossa Senhora de Fátima (Ouro Fino)
30 de maio: Terço dos Homens (Congonhal)
31 de maio: Catedral Metropolitana (Pouso Alegre)


Papa institui o Ministério de Catequista

Foi publicado nesta terça-feira (11) o Motu proprio "Antiquum ministerium" com o qual Francisco institui o ministério de catequista: uma necessidade urgente para a evangelização no mundo contemporâneo, a ser realizada sob forma secular, sem cair na clericalização.

"Fidelidade ao passado e responsabilidade pelo presente" são "as condições indispensáveis para que a Igreja possa desempenhar a sua missão no mundo": assim escreve o Papa Francisco no Motu proprio "Antiquum ministerium" - assinado ontem, 10 de maio, memória litúrgica de São João de Ávila, presbítero e doutor da Igreja - com o qual institui o ministério de catequista. No contexto da evangelização no mundo contemporâneo e diante da "imposição de uma cultura globalizada", de fato, "é necessário reconhecer a presença de leigos e leigas que, em virtude de seu Batismo, se sentem chamados a colaborar no serviço da catequese". Além disso o Pontífice enfatiza a importância de "um encontro autêntico com as gerações mais jovens", como também "a necessidade de metodologias e instrumentos criativos que tornem o anúncio do Evangelho coerente com a transformação missionária da Igreja".

Foto Arquivo: Dom Majella com crismandos - Pascom

Um novo ministério, mas com origens antigas

O novo ministério tem origens muito antigas que remontam ao Novo Testamento: de forma germinal, é mencionado, por exemplo, no Evangelho de Lucas e nas Cartas de São Paulo Apóstolo aos Coríntios e aos Gálatas. Mas "toda a história da evangelização nestes dois milênios", escreve o Papa, "manifesta com grande evidência como foi eficaz a missão dos catequistas", que asseguraram que "a fé fosse um válido sustentáculo para a existência pessoal de cada ser humano", chegando ao ponto de "até dar a sua vida" para este fim. Por isso desde o Concílio Vaticano II tem havido uma crescente consciência de que "a tarefa do catequista é da maior importância", bem como necessária para o "desenvolvimento da comunidade cristã". Ainda hoje, continua o Motu Proprio, "muitos catequistas competentes e perseverantes" realizam "uma missão insubstituível na transmissão e no aprofundamento da fé", enquanto uma "longa série" de beatos, santos e mártires catequistas "marcaram a missão da Igreja", constituindo "uma fonte fecunda para toda a história da espiritualidade cristã".

Transformar a sociedade através dos valores cristãos

Sem diminuir em nada a "missão própria do bispo, o primeiro catequista na sua diocese", nem a "responsabilidade peculiar dos pais" quanto à formação cristã de seus filhos, portanto, o Papa exorta a valorizar os leigos que colaboram no serviço da catequese, indo ao encontro "dos muitos que esperam conhecer a beleza, a bondade e a verdade da fé cristã". É tarefa dos Pastores - destaca ainda Francisco - reconhecer "ministérios laicais capazes de contribuir para a transformação da sociedade através da penetração dos valores cristãos no mundo social, político e econômico".

Evitar formas de clericalização

Testemunha da fé, mestre, mistagogo, acompanhante e pedagogo, o catequista - explica o Pontífice - é chamado a exprimir a sua competência no serviço pastoral da transmissão da fé desde o primeiro anúncio até a preparação para os sacramentos da iniciação cristã, incluindo a formação permanente. Mas tudo isso só é possível "através da oração, do estudo e da participação direta na vida da comunidade", para que a identidade do catequista se desenvolva com "coerência e responsabilidade". Receber o ministério laical de catequista, de fato, "imprime uma acentuação maior ao empenho missionário típico de cada batizado". E deve ser desempenhado - recomenda Francisco - "de forma plenamente secular, sem cair em qualquer tentativa de clericalização".

Congregação para o Culto Divino publicará Rito de Instituição

O ministério laical de catequista também tem "um forte valor vocacional" porque "é um serviço estável prestado à Igreja local" que requer "o devido discernimento por parte do bispo" e um Rito de Instituição especial que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicará em breve. Ao mesmo tempo - assinala o Pontífice - os catequistas devem ser homens e mulheres "de fé profunda e maturidade humana"; devem participar ativamente da vida da comunidade cristã; devem ser capazes de "acolhimento, generosidade e uma vida de comunhão fraterna"; devem ser formados do ponto de vista bíblico, teológico, pastoral e pedagógico; devem ter amadurecido a prévia experiência da catequese; devem colaborar fielmente com os presbíteros e diáconos e "ser animados por um verdadeiro entusiasmo apostólico".

O convite do Papa para as Conferências Episcopais

Por fim, o Papa convida as Conferências Episcopais a "tornarem realidade o ministério de catequista", estabelecendo o iter formativo necessário e os critérios normativos para o acesso ao mesmo, encontrando as formas mais coerentes para o serviço e em conformidade com o Motu proprio que poderá também ser recebido, "com base no próprio direito particular", pelas Igrejas Orientais.

 

Por Isabella Piro - VaticanNews
Foto: VaticanNews


Arquidiocese lança concurso para escolha do hino do Sínodo

A Comissão para preparação do Sínodo Arquidiocesano, com o auxílio da Subcomissão Arquidiocesana para a Música Litúrgica, lançou nesta segunda-feira (10), o edital do concurso para escolha do hino sinodal. As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de junho, mediante envio da partitura ou cifra, e áudio da composição. As composições devem ser enviadas para o email: [email protected]

As inscrições são abertas apenas para músicos compositores que hoje vivem no território da arquidiocese de Pouso Alegre. Cada compositor poderá apresentar apenas uma composição. Não serão aceitas paródias, apenas composições originais.

"Caso não haja um número satisfatório de inscrições, após o término das mesmas no dia 18 de junho, o edital será retificado e abertas as inscrições novamente até o dia 25 de junho, podendo, então, os já inscritos apresentarem mais composições. Os inscritos receberão até o dia 20 de junho, via e-mail, a carta de aceite", explicou o coordenador da subcomissão para a música litúrgica, Adriano Geraldo da Silva.

Faça o download do edital aqui!

Cronograma do Concurso

1ª etapa: divulgação do edital, orientações e recepção das inscrições
- Divulgação do edital: 10 de maio
- Recepção das inscrições: entre 10 de maio e 18 de junho de 2021

2ª etapa: escolha pela equipe técnica das cinco melhores composições
- A divulgação dos classificados para a terceira etapa será feita no dia 30 de junho de 2021 pelas redes sociais e pelos meios de comunicação oficiais da arquidiocese

3ª etapa: escolha pela equipe técnica da melhor composição para o hino oficial
- Divulgação de classificação final no dia 9 de julho de 2021 pelas redes sociais e pelos meios de comunicação oficiais da arquidiocese.

 


Papa Francisco estabelece ministério de catequista

A Sala de Imprensa do Vaticano anunciou que na terça-feira, 11 de maio, será apresentado à mídia o Motu proprio "Antiquum ministerium". Já em 2018, o Papa havia falado da necessidade de dar a este serviço uma dimensão institucional na Igreja.

O Papa tinha este tema em seu coração já há alguns anos, falou sobre isso na vídeo-mensagem aos participantes de uma conferência internacional sobre o tema, em 2018, quando declarou categoricamente que "o catequista é uma vocação". "Ser catequista, esta é a vocação, não trabalhar como catequista".

E depois acrescentava "esta forma de serviço que se realiza na comunidade cristã" deveria ser reconhecida "como um verdadeiro e genuíno ministério da Igreja". A convicção amadureceu e tomou a forma do Motu proprio Antiquum ministerium que será apresentado na próxima terça-feira (11/05) na Sala de Imprensa do Vaticano, com a presença do Arcebispo Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização e Dom Franz-Peter Tebartz-van Elst, delegado para a Catequese do dicastério.

Na linha de frente

O Motu proprio, portanto, estabelecerá formalmente o ministério de catequista, desenvolvendo a dimensão evangelizadora dos leigos desejada pelo Concílio Vaticano II. Um papel ao qual, disse Francisco na vídeo-mensagem, cabe a responsabilidade do "primeiro anúncio". Em um contexto de "indiferença religiosa - o Papa havia indicado - sua palavra será sempre o primeiro anúncio, que atinge os corações e mentes de tantas pessoas que estão esperando para encontrar Cristo".

Uma dimensão comunitária

Um serviço a ser vivido com intensidade de fé e em dimensão comunitária, como foi sublinhado em 31 de janeiro passado na audiência aos participantes do encontro promovido pelo Departamento Catequético Nacional da Conferência Episcopal Italiana. " Este é o momento – disse o Papa - de ser artífices de comunidades abertas que sabem valorizar os talentos de cada um. É o tempo para as comunidades missionárias, livres e abnegadas, que não procuram relevância nem vantagem, mas que percorrem os caminhos do povo do nosso tempo, inclinando-se sobre os que estão à margem.

 

Fonte: Alessandro De Carolis – Vatican News


Igreja Católica celebra o Dia Mundial das Comunicações Sociais

No domingo da Ascensão do Senhor, 16 de maio, comunicadores de todo o Brasil poderão celebrar o Dia Mundial das Comunicações por meio da transmissão de duas celebrações eucarísticas, em sua intenção, direto do Santuário Basílica de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté (MG).

A primeira celebração será presidida pelo bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG), dom Joaquim Giovani Mol, às 8h, com transmissão pelas emissoras de inspiração católica Século 21, Rede Vida, TV Horizonte, Pai Eterno e TV Nazaré.

A segunda celebração será presidida pelo arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, às 15h, com transmissão pela TV Horizonte, TV Evangelizar, TV Imaculada, TV Aparecida, Canção Nova, TV Nazaré e Web Bom Jesus. Ambas as celebrações terão transmissão pelas redes sociais da CNBB (Facebook e Youtube) e da Pascom Brasil e por rádios católicas.

As duas celebrações eucarísticas estão inseridas na Semana da Comunicação, da Pascom Brasil, para celebrar o 55º Dia Mundial das Comunicações Sociais. A programação ocorrerá de 10 a 16 de maio, com três lives inspiradas na mensagem do Papa Francisco para este ano: “Vinde ver! (Jo 1,46) Comunicar encontrando as pessoas como e onde estão”. As lives serão transmitidas pelo Youtube e Facebook da Pascom Brasil.

O Dia Mundial das Comunicações Sociais foi instituído pelo Decreto Inter Mirifica, do Concílio Vaticano II, em seu número 18: “Para reforçar o variado apostolado da Igreja por intermédio dos meios de comunicação social celebre-se anualmente, nas dioceses do mundo inteiro, um dia dedicado a ensinar aos fiéis seus deveres no que diz respeito aos meios de comunicação, a se orar pela causa e a recolher fundos para as iniciativas da Igreja nesse setor, segundo as necessidades do mundo católico”. E no dia 7 de maio de 1967, domingo da Ascensão do Senhor, celebrou-se pela primeira vez, no mundo inteiro, o dia Mundial das Comunicações Sociais.

Confira a programação completa:

10 de maio, às 20h - VINDE VER
A primeira atividade será a Leitura Orante da Palavra de Deus, na segunda-feira, 10 de maio, às 20h. O texto bíblico escolhido foi o Evangelho de João 1, 39-46, que contém o versículo que dá tema ao Dia Mundial das Comunicações Sociais deste ano. A condução será feita pelo bispo de Oeiras (PI), dom Edilson Nobre, membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. O roteiro para a Leitura Orante ficou a cargo do Projeto Cristonautas, um programa de treinamento em Lectio Divina para jovens, levando em consideração a Nova Evangelização, a grande Missão Continental e as tecnologias de informação e comunicação.

A leitura orante da Palavra de Deus é um dos métodos mais eficazes de se ter contato com a Palavra de Deus. Não se trata de fazer uma leitura corrida das páginas sagradas, mas uma leitura rezada. A Lectio Divina tem uma história de pelo menos 2.500 anos. No Antigo Testamento o povo de Israel rezava a Palavra e usava a Palavra para rezar. No livro de Neemias 8, 2-10 encontramos que o povo se reuniu para ouvir Neemias e ler o livro desde a manhã até ao meio dia. A leitura orante na ótica da comunicação é uma proposta sugerida pelo Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil no parágrafo 253, como uma forma de se vivenciar o eixo da espiritualidade.

“É fundamental que se cultive a espiritualidade do comunicador mediante retiros, “leitura orante” na ótica da comunicação, reflexões sobre os documentos da Igreja no campo da comunicação, e que o comunicador se alimente da Palavra de Deus e da Eucaristia. A espiritualidade do comunicador, bem como toda a espiritualidade da Igreja, inspira-se na Trindade, modelo da perfeita comunicação e comunhão no amor.” (DCIB, n. 253)

12 de maio, às 20h - GASTAR AS SOLAS DOS SAPATOS

A expressão citada pelo Papa Francisco em sua mensagem dá título à segunda noite formativa. Os membros do Grupo de Reflexão sobre Comunicação (Grecom) da CNBB fazem o aprofundamento da carta aos comunicadores na quarta-feira, 12 de maio, às 20h.

São integrantes do Grecom os pesquisadores Andréia Gripp, Aline Amaro, Joana Puntel, Moisés Sbardelotto, Mozahir Salomão Bruck, Ricardo Alvarenga, além do coordenador nacional da Pascom, Marcus Tullius, os assessores da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, Manuela Castro e padre Tiago Sibula, e os bispos da Comissão, dom Joaquim Mol e dom Edilson Nobre.

“A crise editorial corre o risco de levar a uma informação construída nas redações, diante do computador, nos terminais das agências, nas redes sociais, sem nunca sair à rua, sem ‘gastar a sola dos sapatos’, sem encontrar pessoas para procurar histórias ou verificar com os próprios olhos determinadas situações. Mas, se não nos abrimos ao encontro, permanecemos espectadores externos, apesar das inovações tecnológicas com a capacidade que têm de nos apresentar uma realidade engrandecida onde nos parece estar imersos”, afirma o Papa Francisco na mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2021.

14 de maio, às 20h - A CORAGEM DOS JORNALISTAS

A terceira noite de celebração do Dia Mundial das Comunicações Sociais contará com o testemunho de jornalistas e comunicadores, destacando a coragem dos jornalistas. A live será na sexta-feira, 14 de maio, às 20h e será conduzida por Alessandro Gomes e Osnilda Lima, presidente e vice-presidente da Signis Brasil – Associação Católica de Comunicação.

“Temos que agradecer à coragem e determinação de tantos profissionais (jornalistas, operadores de câmara, editores, cineastas que trabalham muitas vezes sob grandes riscos), se hoje conhecemos, por exemplo, a difícil condição das minorias perseguidas em várias partes do mundo, se muitos abusos e injustiças contra os pobres e contra a criação foram denunciados, se muitas guerras esquecidas foram noticiadas”, afirma o Papa Francisco no terceiro tópico da mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

16 de maio - DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS

No domingo da Ascensão do Senhor, comunicadores de todo o Brasil poderão celebrar o Dia Mundial das Comunicações por meio da transmissão de duas celebrações eucarísticas, em sua intenção, direto do Santuário Basílica de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté (MG). (Informações estão acima).

 

Fonte: cnbb.org.br

 


Arquidiocese lança novo volume do Círculo Bíblico

A Comissão de Formação Permanente e a Secretaria de Pastoral da arquidiocese de Pouso Alegre lançou o novo volume do círculo bíblico, ajudando nas reflexões do Tempo Pascal e também o Tempo Comum da Liturgia. Esse material tem por finalidade ajudar no conhecimento, na meditação e vivência da Palavra de Deus; ajudar os fiéis a crescer na espiritualidade cristã mediante e reflexão teológica; e fortalecer a fé cristã em toda a sua amplitude existencial.

"Chegamos ao trigésimo nono volume do círculo bíblico dando continuidade à nossa proposta de aprofundar a liturgia dominical, estudando e orando com a primeira leitura da festa pascal até o décimo sétimo Domingo do tempo comum. Cada encontro é uma grande chance que Deus nos dá para conhecer melhor a sua Palavra. Não somente um conhecimento teórico, mas um caminho de melhorar a nossa prática dos ensinamentos evangélicos", afirmou o coordenador arquidiocesano de pastoral, padre Edson Aparecido da Silva.

Sobre a estrutura do Círculo Bíblico

  • Os encontros seguem uma estrutura baseada no método da leitura orante da Bíblia;
  • Os encontros seguem a primeira leitura da liturgia do domingo, conforme indicação do cabeçalho de cada encontro;
  • O texto deve ser usado para incentivar o encontro das famílias em torno da Palavra de Deus;
  • Neste tempo de pandemia, algumas experiências têm ajudado a comunidade se encontrar e crescer na fé. Pequenos grupos podem fazer uso de tecnologias para realizar o encontro e partilhar a Palavra. Aplicativos como WhatsApp, Google Meet, Zoom e outros têm favorecido o encontro e pequenas reuniões. Outra experiência é de fazer o encontro e transmitir pelas redes sociais;
  • Este volume do Círculo Bíblico está sendo fornecido apenas no seu formato digital;

Façamos de nossas casas lugares de graça, aproveitemos o tempo para agradecer e rezemos juntos, compartilhemos o que cada um de nós quer dizer ao Senhor através da oração, ela revela o fundo do coração. (Mensagem dos bispos chilenos à Pastoral Familiar, abril de 2020)

"Em tempos de fortalecimento da Igreja doméstica e encontros virtuais com a comunidade, a Comissão de Formação Permanente da Arquidiocese deseja que este subsídio ajude você, a partir do encontro com a Palavra de Deus, a enfrentar as adversidades com resiliência, dizendo ao Senhor: 'Sois meu abrigo, o meu escudo, na vossa Palavra pus a minha esperança'(Sl 119, 114)".

 

 

 


Com fim da "onda roxa" em MG, celebrações com fiéis são retomadas

Com o fim da "onda roxa" no Estado de Minas Gerais no 16 de abril, conforme decreto do Governador Romeu Zema, as celebrações com a presença de fiéis, inclusive sacramentos da Reconciliação, Batismo e Matrimônio, foram retomados na arquidiocese de Pouso Alegre no último dia 19 de abril. O comunicado foi emitido pelo arcebispo metropolitano, dom José Luiz Majella Delgado-C.Ss.R., após reunião com o Comitê Gestor Arquidiocesano contra o avanço da COVID-19.

Expresso imensa gratidão aos senhores padres e aos fiéis de nossas comunidades, pela presteza em fazer cumprir o que nos está sendo pedido nesta pandemia e, mais ultimamente nessas últimas semanas, com a "onda roxa" que suspendeu nossas atividades presenciais: Suas compreensões, atenções e enfrentamento dos desafios nos diversos setores da vida paroquial; os esforços e sacrifícios envidados quanto à não possibilidade de participação presencial nas atividades pastorais e celebrativas; o empenho nas orações na Igreja Doméstica e nas transmissões das missas, reflexões e outras para-liturgias, principalmente no período da Semana Santa, que não deixaram de fomentar a fé do povo católico em nossas paróquias e para além delas, como é possibilitada pelas redes sociais, afirmou dom Majella.

A flexibilização permite o retorno das atividades previstas na terceira fase do Plano de Retomada das Atividades Litúrgicas e Pastorais da Arquidiocese, publicada em julho do ano passado. Cada pároco deve manter o diálogo com a Vigilância Sanitária e Secretária de Saúde do município onde está localizada a paróquia.

Reconheço que mesmo com a compreensão e boa vontade de todos, empenhando-se na preservação da vida e da fé, e que mesmo com esta liberação, devemos perseverar em todos os cuidados sanitários e seguimento das orientações das autoridades, bem como intensificar nossa vida de oração para que se afugente esta pandemia.

Na oportunidade, dom Majella anunciou a data da missa cristal, tradicionalmente celebrada na manhã da quinta-feira santa: 15 de maio, na Catedral Metropolitana de Pouso Alegre, seguindo as orientações do município.

Faça do download do Comunicado do arcebispo!

 

 

 

 


Entenda o Plano de Retomada das atividades Litúrgicas da arquidiocese

Publicado em 3 de julho de 2020, o Plano de Retomada das Atividades Litúrgicas e Pastorais da arquidiocese de Pouso Alegre quer nortear a ação da Igreja Particular de Pouso Alegre em tempos de Pandemia da COVID-19. Este plano dialoga com as Orientações da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e também com a Vigilância Sanitária e Secretaria de Saúde de cada município. A aplicação do plano é gradual, ou seja, obedecendo fases.

São 5 fases (atualmente, maio de 2021, a arquidiocese vive a terceira fase), obedecendo a realidade de cada realidade, a saber:

1ª FASE

  • Primeira quinzena de julho de 2020: conscientização do clero; conscientização dos fiéis; cadastramento e treinamento das equipes sanitárias (voluntários); atendimento de confissão, bênçãos e orientação espiritual na igreja ou secretaria;
  • Segunda quinzena de julho de 2020: sacramento do Batismo; sacramento do Matrimônio; sacramento da Unção dos Enfermos; Exéquias;

2ª FASE

  • Retorno das celebrações da Santa Missa com a presença de fiéis (na Catedral e Matrizes);

3ª FASE

  • Missas nas comunidades; Sagrada Comunhão aos Enfermos; Iniciação Sacramental dos adultos;

4ª FASE

  • Reuniões de pastorais e movimentos; catequese;

5ª FASE

  • Encontros de pastorais e movimentos; festas paroquiais;

O Papa Francisco, qual novo Moisés a liderar a travessia e a nos incentivar a mantermos os olhares fixos no horizonte da vida nova, nos exorta:

“Se pudemos aprender algo em todo este tempo, é que ninguém se salva sozinho (...) É o sopro do Espírito que abre horizontes, desperta a fraternidade para dizer ‘presente’ perante a enorme e inadiável tarefa que nos espera. É urgente discernir e encontrar a pulsação do Espírito para dar impulso, juntamente com outros, a dinâmicas que possam testemunhar e canalizar a nova vida que o Senhor quer gerar neste momento concreto da história”

Faça o download do Plano de Retomada, que traz a especificação das duas primeiras fases (Clique aqui para download)

 

 

 


Ano Amoris laetitia: para se reencantar com mensagem do Papa às famílias

O Ano “Família Amoris laetitia” começa justamente no aniversário de 5 anos da Exortação Apostólica do Papa Francisco, ou seja, em 19 de março de 2021. Segundo o Pe. Alexandre Awi Mello, secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, é uma iniciativa para “se reencantar” pela mensagem do Pontífice, para “beber novamente da fonte da exortação”, em apoio às famílias para que se tornem “cada vez mais missionárias, abertas à humanidade, dando a sua contribuição para que o mundo seja melhor.”

O mais recente desafio lançado pelo Papa Francisco vai bater na porta de casa, dentro do nosso lar, naquela que se transformou a todo efeito numa Igreja doméstica devido às circunstâncias impostas pela pandemia da Covid-19. Para repensar e valorizar a família e dar um novo impulso à aplicação da Exortação Apostólica Amoris laetitia, no último domingo (27) o Pontífice convocou um período especial chamado Ano “Família Amoris laetitia”.

O Pe. Alexandre Awi Mello, secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, explica que será um período para promover várias iniciativas além de oferecer subsídios pastorais para se “reencantar pela mensagem do Papa” destinada às famílias:

“Vai ser o tempo para que as famílias do mundo inteiro, nas suas paróquias, como Igreja doméstica, nas conferências episcopais, nos movimentos familiares, possam tomar de novo nas mãos a Exortação Apostólica que foi fruto de dois Sínodos: voltar a se embeber da riqueza dessa exortação, a beleza do amor familiar, com todos os seus aspectos bíblicos, teológicos, pastorais; e voltar a se reencantar por essa mensagem do Papa às famílias no mundo de hoje.”

O exemplo de São José para repensar a família

O Ano “Família Amoris laetitia” começa justamente no aniversário de 5 anos da exortação, ou seja, no 19 de março de 2021, de festa de São José, com encerramento marcado para junho de 2022:

“São José nos conduz a repensar e a colocar novamente a família no centro da nossa preocupação. A grande missão de José foi ser pai, foi ser chefe de família, foi ser esposo, então, que ele também nos ajude e ajude todas as famílias a nos reencantarmos. A beber novamente dessa fonte que é a exortação Amoris laetitia para que a família continue sendo uma fonte fundamental de vida para a Igreja, para a sociedade – a célula fundamental da nossa sociedade, para que as famílias possam continuar sendo cada vez mais missionárias, abertas a outras famílias, abertas à humanidade, dando a sua contribuição para que o mundo seja melhor.”

O convite a viver como família

O próprio Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida será um acompanhante assíduo durante esse período ao promover uma série de iniciativas. Entre elas, como explica o Pe. Alexandre, um fórum que vai contar com a participação de representantes das conferências episcopais do mundo inteiro, particularmente, de pessoas que atuam no setor que trabalha com as famílias para avaliar “a que ponto estamos com Amoris laetitia”.
“Como essa exortação tem sido aplicada nos diferentes países, quantas iniciativas surgiram a partir disso, como a pastoral de preparação ao matrimônio e o acompanhamento de casais foi revitalizado através desta exortação; queremos produzir alguns subsídios como vídeos explicativos com a própria palavra do Papa que vai nos ajudar a aprofundar em cada um dos 9 capítulos da exortação. É uma maneira para que possamos, assim, aprender ainda melhor aquilo que o Papa nos convida a viver como família.”

Foto da capa: Vatican Media (Em imagem de arquivo, o Papa ao encontrar as famílias dos funcionários do Vaticano)

por: Vatican News